terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Memórias de um amor perdido


Não sei quem tirou a foto, mas sei quem foi fotografado, nesse ano já tão distante de 1970. Ou seria 1971? ou o seguinte?
Se não recordo a data, lembro-me do seu sorriso, da sua alegria, do seu amor.
Quem nos fotografou não imaginava que gravava, em filme, um pedaço de nós, tão importante, tão maravilhoso.
Contudo, se o fotógrafo tivesse o dom de adivinhar o futuro, teria fotografado apenas as Portas-de-Sol, bem lá no alto, porque essas continuam apaixonadas pelo Tejo, que de mansinho, inclina o caudal na sua direcção e ali se tem mantido, submisso, eterno amante.

Sem comentários:

Enviar um comentário