quarta-feira, 30 de junho de 2010

Uma árvore diferente

Nesta árvore que se encontra junto ao esteiro da Azambuja, alguém pintou, de um vermelho vivo, a bordadura da sua cavidade.
Como que uma estátua viva do que lhe ia na alma e no corpo.
E a árvore, desconhecendo os motivos da pintura, oferece o seu seio a inúmeros seres vivos que nela se albergam e se reproduzem.

O pastor

O sol aqueceu o Alentejo.
E, como as árvores escasseiam, as ovelhas ocuparam toda a sombra da azinheira.
Aproveitaram para carpir as mágoas. Os terrenos estavam sem pasto e, nos últimos dias, até os torrões tiveram de comer.
À sombra da azinheira, reunidas em assembleia geral, enquanto se escondiam do sol, decidiram então, que a solução era mudar de pastor.
Feita a votação elegeram um novo pastor, que lhes havia prometido erva com fartura.
No ano seguinte encontrei as ovelhas, quase pele e osso, debaixo da mesma azinheira.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Família de gatos

De cima, o gato «bichano» cuida dos seus irmãos mais velhos.
A mãe, «Tareca», foi caçar. Encontrei-a no Parque Terra Nostra, nas Furnas, a contemplar os peixes do lago.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Grades

São já muitas as vezes em que espreita pela larga vidraça. Ao fundo tem o Tejo que corre, livre para o mar.
Mas não é isso que vê.
Em vez da janela larga, vê grades de ferro, grossas, como se de uma prisão se tratasse.
E do lado de lá, de fora das grades, bem perto, uma enseada que leva ao mar, à liberdade.
Tem saudades dos tempos em que, através da vidraça, via o Tejo a correr.
E, no entanto, o prédio não tem grades. Tem janelas grandes de onde se vê o Tejo.

Tempos idos


Sorrisos de primos, ainda adolescentes.
Tempos idos!
Que os novos tempos são mais áridos, mais frios.

sábado, 26 de junho de 2010

A ceifa

Partiam de madrugada, ainda o sol não tinha nascido.
Ceifavam o trigo louro, o pão que comemos todos os dias.
À hora de almoço repartiam o conduto, por vezes uma sardinha para as duas.
Continuavam a labuta. Despegavam ao pôr-do-sol, não sentindo já o corpo, tamanho era o cansaço.
Um dia, acabaram por migrar para a grande cidade. Em Lisboa, começaram por servir em casas de senhoras abastadas. Depois, conheceram o homem da sua vida.
Os filhos ouviram que antigamente se trabalhava no campo, sem alcançarem muito bem o sentido desse trabalhar. Os netos nem sonham como foi difícil a vida.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Jardineira-bruxa

Maria acabou de limpar o jardim.
Arrumou o regador, o sacho, o ancinho.
Depois pegou na sua vassoura e na cestinha do lanche e partiu.
Montada na vassoura, porque Maria, quando não é jardineira, ganha algum dinheiro com a actividade de bruxa.
Lá vai ela, tendo por detrás a lua.
Maria, a jardineira-bruxa.
Que os tempos de hoje são bem difíceis e os meninos, futuros bruxos, esperam pelo comer.

Imagens do futuro

Depois de acabar o curso, olhou para o boneco que lhe ofereceram e achou-o engraçado. Arrumou-o na estante.
Vendo-se ao espelho, um dia destes, viu do outro lado a mesma barriga, os óculos, a careca. Tudo o que caracterizava o boneco.
Despiu o fato, vestiu umas calças de ganga, uma camisa aos quadrados, uns ténis.
Só não conseguiu tirar a barriga, os óculos, a careca.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Degradação

Tirou os sapatos e sentou-se a descansar no banco do jardim.
Tinha sido um dia complicado. Em casa, no trabalho.
Mas o que não conseguia afastar do pensamento eram aquelas duas imagens degradantes que presenciara.
Uma mulher, em pleno Martim Moniz, agachou-se e, perante as pessoas que passavam, urinou em plena via pública.
E o pedinte, perto do Rossio, que fez do chão da rua a mesa do almoço e ali espalhou os feijões que ia comendo. Sinais da degradação da espécie? Ou a vida do submundo sempre foi assim?

terça-feira, 22 de junho de 2010

Os peixes do lago

No pequeno lago vivem agora grandes peixes.
Eram, bem há pouco tempo, peixinhos de aquário, que cabiam na palma da mão.

Um homem de coragem

Um dia meteu as roupas numa mochila e partiu.
Hoje, longe de tudo, na terra de ninguém, vive no cimo daquelas árvores, na cabana que construiu.
Encontrei-o, um dia destes. Convidou-me para beber um café feito por si, como antigamente as nossas avós o faziam.
E ali estivemos, saboreando a bebida quente, mas também o silêncio de ambos.
Para ser sincero, regressei com uma sensação de cobardia. Nunca tive um laivo de coragem, que fosse. Tive sempre medo de tudo e, principalmente, de me ver só.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Com um brilhozinho nos olhos

"Hoje soube-me a pouco, hoje soube-me a pouco."
Sérgio Godinho
Com um brilhozinho nos olhos

domingo, 20 de junho de 2010

O pescador na falésia

Do alto da falésia lança o anzol ao mar.
Só.
Um dia, há um grão de areia que cede. Um só grão será o suficiente para que a falésia perca um bocado.
E com esse bocadinho que escorrega para o mar, pode ir o pescador.
Por vezes penso que todos nós temos a vida em falésias. Temos a vida presa por grãozinhos de areia.



sábado, 19 de junho de 2010

José Saramago

"A democracia em que vivemos é uma democracia sequestrada, condicionada, amputada..."
José Saramago

Tempos da floresta

Um almoço na Herdade dos Fidalgos, em 1982.
No longo caminho da vida, vão ficando recordações bonitas. De sitios, de momentos e, sobretudo, de pessoas.
O Jacinto Paulo, um guarda florestal e o Granchinho de Moura.
Este último um grande amigo, na sequência dos que me foram destinados para me orientar e ensinar a construir a minha vida e a minha forma de ser.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Girassol

Um girassol gigante é uma fonte de vida.
Vou plantar uns poucos.
Adoro ver a vida gravitar ao meu redor!

O comedouro

Fiz um comedouro para os pássaros. Bem junto ao lago para, depois do repasto, darem uma banhoca e beberem um pouco.
Estou impressionado. A notícia depressa correu entre a passarada.
Não sei como se organizaram. O certo, é que, enquanto uns comem, outros esperam num limoeiro encostado ao comedouro.
Mas consegui o que queria. Ter uma grande chilreada à minha volta!

Desaparecido

Este amigo continua desaparecido!
Perdeu-se do dono, em 1978, na Praia da Nazaré!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Conversas com o anjo-da-guarda

Esta noite tive uma discussão séria com o meu anjo-da-guarda.
Nas conversas que mantemos habitualmente, costuma acenar apenas com a cabeça.
A noite passada pedi-lhe um favor. Argumentou, bracejou, eu sei lá.
Por fim, como sempre faz, concordou com o pedido.
Embora, lhe custasse imenso andar por Lisboa, cidade de que não gosta, lá acabou por ir, zelando para que tudo corresse bem.
Já está de volta o meu amigo, tranquilizando-me.
Aproveitei para lhe mostrar esta bela foto, que ele logo conheceu.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Santo António Negro

Santo António!
Um Santo António negro com o seu menino Jesus, também negro.
Arte popular de S. Tomé.
Não sabia o artista, que encontrei numa primeira vez na loja que têm perto do cinema na cidade de S. Tomé e numa segunda vez no Hotel Pestana, também naquela cidade, que existiu um outro Santo António, nascido na Líbia, feito escravo na Sicília, pastor e eremita.
E também não conhecia os sermões aos peixes, em especial aos tubarões, para que não comessem os peixes mais pequenos.
Isto, porque não valeria a pena fazer sermões aos tubarões humanos. Estes, apesar de muito crentes, são completamente descrentes com os seus semelhantes.

Pai e filha

Hoje sussurrei ao sol para dar mais luz, muito mais luz a este dia.
Lembrei o céu de vestir o seu melhor fato, aquele azul-turqueza que só usa em ocasiões especiais.
Falei com os pássaros, eles prometeram cantar para suavizar os teus ouvidos.
Não me esqueci das flores, ficaram de perfumar o mundo neste dia.
Pedi-lhes que perfumassem o TEU mundo, neste TEU dia.
Tal como tu perfumas, iluminas, dás cor e musica ao meu pequeno mundo.
Tal como tu o preenches e adoças porque existes.
Tal como me amas sem fronteiras e eu te amo a ti PAI.

(Uma poema da minha filha no dia do pai em 2005)

segunda-feira, 14 de junho de 2010

A minha rã preferida

Ali fico especado, a olhar para o lago.
Espero que a minha rã preferida apareça para a fotografar.
Quem sabe se não será uma princesa encantada por uma bruxa má, à espera que alguém quebre o encantamento.
Mesmo que não seja uma princesa, é uma filha da natureza. Como diria S. Francisco de Assis, uma irmã.
E temos de reconhecer que é linda. E canta que nem a Nina Hagen.

Lúcia

Estavam apenas duas mesas ocupadas.
Numa estava eu. Na outra, um casal.
Sem dar nas vistas olhei uma, duas, três vezes.
Só podia ser a Lúcia. Por momentos vivi um conjunto de anos da minha juventude. Recuei aos tempos do Oásis.
Ela não tinha mudado. Eu sim.
Quando me levantei, não resisti. Era mesmo a Lúcia.
Tinham passado cerca de 38 anos!

domingo, 13 de junho de 2010

Homem sem cabeça

Existem mil e uma razões para um homem perder a cabeça!
(Foto tirada no Jardim Botânico Tropical)

Um menino perdido na floresta

Ouvi hoje que um menino de oito anos andou perdido na floresta da Ilha do Príncipe, durante onze meses.
Na floresta, o menino não esteve só. Um macaco adoptou-o. Subia aos coqueiros, partia os cocos e dava ao menino.
Teve sorte o menino.
Se se tivesse perdido na floresta onde vivemos, provavelmente, as pessoas teriam passado ao seu lado sem o verem.
(foto de uma macaquinha de S. Tomé, tirada no restaurante da D. Celeste, em Guadalupe)

sábado, 12 de junho de 2010

Bicho-pau

O bicho-pau, sendo um bicho, assemelha-se a um pau, tornando-se mesmo invisivel nos gravetos, na pequena ramagem. É um bicho que não quer ser bicho.
O homem é cada vez mais um bicho, não obstante a camuflagem que ostenta. É um bicho que quer ser bicho.
(Foto da exposição de insectos no Jardim Botânico Tropical)

Criaturas

Com os olhos que a terra me há-de comer, vi vida dentro desta árvore.
Porque no interior do seu tronco existe uma cabana onde habitam criaturas da natureza.
E, do seu interior, espreitam os humanos que por ali passam, já corcundas, que o peso do ser e do estar é grande.
E as criaturas ficam felizes por não serem humanos!
(Foto no Jardim Botânico Tropical)

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Jogos eróticos


Jardim Botânico Tropical, em Belém.
Ninguém estava por perto.
As estátuas, devagarinho, aproximaram-se uma da outra.
Ela deixou antever um seio. Ele, com sofreguidão, relembrou seus tempos de menino.
Mas antes, porque a cegueira de um homem pode ser grande, ela atou-lhe as mãos atrás das costas.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Chaminés

No Alentejo, a minha chaminé é maior que a do meu vizinho!

Parar o tempo

Um dia destes faço um relógio de sol.
Depois, coloco-o numa sombra, num sitio onde não lhe chegue o sol.
Talvez seja uma maneira de parar o tempo.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Maria

Foi dia da primeira comunhão!
A alegria paira nas faces de todas aquelas crianças.
A igreja da vila encheu-se. Não só de pessoas, mas também de alegria, de esperança.
Porque a vida é algo de muito forte.
A vida deveria ser sempre sinónimo de felicidade.
E felicidade é algo de muito forte que corre nas faces de Maria.
Como que a dizer: eu existo, estou aqui, sou uma criança e por isso quero e sou feliz.

Pureza

Quando tirei a foto não reparei.
No amor desta criança.
Amor pela vida.
Amor pelo cão que se anicha nos seus braços.
Se os homens conseguissem salvaguardar a pureza que nos vem de pequeninos, como seria bom este mundo.
Mas a sociedade depressa trata de eliminar o que de melhor há no ser humano.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Um pescador na floresta

Do mar à aldeia era um instantinho.
Mas Manel demorou uma eternidade.
Ia pensativo, que a vida nem sempre é o que esperamos dela.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Ribeira de Santarém - 2010

O caminho está intransponível.
Temos de esperar que o nível das águas desça.
Pode demorar pouco, mas o mais certo é demorar muito tempo.